Casa Batlló Em Barcelona: Melhores Dicas Para Visitar Em 2023

A Casa Batlló em Barcelona é uma das obras-primas de Antoni Gaudí, o famoso arquiteto catalão responsável por outros espaços e edifícios icónicos na capital da Catalunha, como a Casa Milà, o Parque Güell ou a Basílica da Sagrada Família. Na realidade, sete deles foram inscritos na Lista do Património Mundial da UNESCO em 1984 e 2005!

Construída na luxuosa avenida Passeig de Gràcia, a Casa Batlló integra um dos quarteirões mais irreverentes de Barcelona: a Illa de la Discòrdia. A “Ilha da Discórdia” é basicamente uma fila de casas projetadas pelos arquitetos mais importantes do Modernismo Catalão:

  • Lluís Domènech i Montaner (Casa Lleó Morera)
  • Enric Sagnier (Casa Mulleras)
  • Marceliano Coquillat (Casa Bonet)
  • Josep Puig i Cadafalch (Casa Amatller)
  • Antoni Gaudí (Casa Batlló)

Por isso, queres saber mais sobre a Casa Batlló Em Barcelona: Melhores Dicas Para Visitar Em 2023? Continua a ler!

Este artigo pode conter links de afiliados, o que significa que eu ganho uma pequena comissão se fizeres uma compra, sem nenhum custo adicional para ti. Lê o meu aviso legal & política de privacidade para mais informações.

Sem tempo para ler agora? Guarda para depois!

Casa Batlló em Barcelona
Casa Batlló em Barcelona

Breve História da Casa Batlló em Barcelona

Em outubro de 1904, um industrial abastado do setor têxtil chamado Josep Batlló i Casanovas encomendou a Antoni Gaudí a reforma de um imóvel situado no número 43 da avenida Passeig de Gràcia, em Barcelona. Ao projeto, juntaram-se outros dois arquitetos representativos do Modernismo Catalão: Josep Maria Jujol e Joan Rubió i Bellver.

A modernização da Casa Batlló em Barcelona acabou por ser uma das intervenções mais radicais de Gaudí. Da fachada principal, ao andar nobre dos proprietários – não esquecendo os pátios interiores, sótão e telhado – multiplicam-se os detalhes extravagantes e elementos “fantasiosos” do mestre catalão.

Antoni Gaudí trabalhou na Casa Batlló durante três anos, enquanto realizava outros projetos. Por exemplo, em 1904 também iniciou a reforma da Catedral de Palma de Maiorca e decorou a Sala Mercè em Barcelona. E no ano seguinte, desenhou duas obras em La Pobla de Lillet (na província de Barcelona): o Chalé do Catllaràs e os Jardins Artigas.

Além disso, Gaudí mantinha a sua atividade como arquiteto principal da Basílica da Sagrada Família, cargo que ocupava há já vinte anos! Por isso, é realmente notável pensar na quantidade de ideias criativas e originais que continuou a desenvolver. A Casa Batlló em Barcelona ficou pronta em 1907 mas – tal como aconteceu com a Casa Milà em 1912 – o edifício foi muito criticado pelos locais, que lhe chamavam “Casa dos Ossos” e “Casa dos Bocejos”.

Património Mundial

Sabias que a Casa Batlló em Barcelona fez parte do décimo-sexto conjunto de inscrições de Espanha na Lista do Património Mundial da UNESCO? Esta 29ª sessão do Comité de Património Mundial realizou-se em Durban (África do Sul), entre os dias 10 e 17 de julho de 2005.

Apenas um outro sítio espanhol foi anunciado na sessão: o Parque Nacional de Doñana (extensão da sua inscrição original em 1994). No entanto, a Casa Batlló em Barcelona não foi a única obra de Antoni Gaudí premiada nesta sessão. Num total de quatro obras do arquiteto, estavam ainda a Casa Vicens, a Cripta da Colónia Güell e a Fachada da Natividade e Cripta da Basílica da Sagrada Família.

Hoje em dia, Espanha é o quarto país do mundo e o terceiro país da Europa com mais sítios UNESCO, logo depois de Itália e da Alemanha, e empatado com França. Possui quarenta e nove bens patrimoniais (tanto culturais, como naturais) inscritos na lista mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura!

Entretanto, já tive a oportunidade de visitar dez:

Como Chegar à Casa Batlló em Barcelona

A Casa Batlló em Barcelona foi aberta pela primeira vez ao público em 2002, quando a cidade catalã organizou o Ano Internacional Gaudí. Este ano marcava os 150 anos do nascimento de Antoni Gaudí e a capital da Catalunha decidiu promover diversas atividades para celebrar a vida e a obra do arquiteto.

Durante a sua intervenção na Casa Batlló, Gaudí decidiu acrescentar dois pisos à parte superior do edifício original, que conta agora com um total de oito andares (excluindo o terraço no telhado):

  • Cave
  • Entrada (no rés-do-chão) – com acesso ao elevador e à escadaria dos moradores (o andar principal tem uma escadaria própria)
  • Apartamento da família Batlló (no primeiro andar)
  • Quatro andares de apartamentos para aluguer
  • Lavandaria e área de armazenamento (no sótão)

A Casa Batlló em Barcelona fica a menos de 500 metros de outra obra de Antoni Gaudí: a Casa Milà, localizada no número 92 do Passeig de Gràcia. Uma vez que esta é uma das avenidas centrais de Barcelona, o acesso à Casa Batlló não podia ser mais fácil. Podes chegar de metro (linhas 2, 3 e 4, estação Passeig de Gràcia), de autocarro (linhas H10, V15, 7, 22 e 24) ou de comboio (Renfe, estação Passeig de Gràcia ou FGC, estação Provença).

Horários de Abertura & Preços de Bilhetes

A Casa Batlló está aberta todos os dias do ano, das 09:00 às 20:15, sendo que a última entrada acontece às 19:15. E no monumento, é possível passear pelo andar nobre, sótão e terraço. A visita tem uma duração aproximada de 1h-1h30, mas podes demorar o tempo que quiseres.

No que diz respeito aos bilhetes, existem quatro tipos:

  • Visita Geral a partir de 35€ (adultos), inclui visita com audioguia, salas imersivas e a opção de escolher outros extras durante o processo de compra
  • Pacote Família 39€ (adulto + criança), inclui visita com audioguia + tablet, e salas imersivas
  • Seja A Primeira Visita45€ (adultos), inclui visita matinal com audioguia, salas imersivas, muito poucos visitantes e a oportunidade para tirar as melhores fotos
  • Noites Mágicas a partir de 59€ (adultos), inclui visita noturna com audioguia, salas imersivas, concertos, e mesa + copo de cava de boas-vindas

Consulta todas as informações sobre os vários tipos de bilhetes no site oficial da Casa Batlló!

O Que Ver na Casa Batlló em Barcelona

Fachada Principal

A Fachada Principal da Casa Batlló em Barcelona é a que está virada para o Passeig de Gràcia. E apesar de ser constituída por três partes distintas, estas integram-se de forma equilibrada, criando uma atmosfera de inspiração marinha, naturalista e fantasiosa.

A primeira das três corresponde ao andar nobre da família Batlló, na qual se destaca uma sacada de arenito de Montjuïc em forma de galeria. Esta é formada por colunas exteriores de pedra que imitam ossos e flores, assim como por grandes janelas de guilhotina que iluminam todo o espaço.

A segunda secção da Fachada da Casa Batlló em Barcelona é marcada pelas oito grades das sacadas, que se assemelham a máscaras ou caveiras. Feitas de ferro fundido, foram depois pintadas de marfim e ouro, para se fundirem melhor com a estética do edifício.

Por último, mas não menos importante: o telhado. Aqui, Antoni Gaudí intensificou as formas onduladas e fluídas do edifício ao criar o que aparenta ser a espinha dorsal de um animal. Muitos acreditam tratar-se de um dragão, por causa da lenda de São Jorge, o padroeiro da Catalunha.

Segundo esta lenda, São Jorge salvou uma princesa e o seu povo ao matar um dragão com a própria espada. Outro destaque do telhado é a cruz de quatro braços que se ergue de uma torre e que a mesma lenda associa à espada do santo.

Sabias que os vários discos de cerâmica e pedaços de vidro colorido espalhados pela Fachada da Casa Batlló em Barcelona foram preparados através de técnicas tradicionais? A partir de barro, esmalte e vidro cozido, Gaudí criou uma textura e harmonia que lembram os quadros impressionistas de Claude Monet (em especial “Nenúfares”)!

Andar Nobre

A visita ao Andar Nobre da Casa Batlló em Barcelona começa no hall de entrada privado da família, que faz lembrar uma gruta submarina. Além disso, o corrimão da escadaria de madeira de carvalho foi esculpido de forma a imitar as vértebras de um animal gigante!

Hall de Entrada
Escritório de Josep Batlló

Uma vez no apartamento propriamente dito, é fácil perceber as suas dimensões monumentais: afinal, são mais de 700 m² de espaço! É possível visitar várias divisões, como por exemplo o vestíbulo, a sala principal, sala de almoço, sala de costura ou o escritório de Josep Batlló, com uma lareira em forma de cogumelo.

Sala Principal (ou Sala de Estar)

No Andar Nobre da Casa Batlló em Barcelona, o arquiteto prestou especial atenção à iluminação e ventilação de todos os espaços. Para isso, Antoni Gaudí projetou paredes e tetos com formas invulgares, como o famoso teto em redemoinho da sala principal.

Sala de Almoço (ou Sala de Jantar)

Por fim, é importante salientar que Gaudí também desenhou a capela particular da família Batlló, bem como todo o mobiliário da casa. As mesas, cadeiras, poltronas e candeeiros que encontras durante a visita – além das janelas, portas, maçanetas, puxadores, etc. – são da sua autoria!

Pátio de Luzes

Os pátios interiores do antigo edifício foram também modificados por Antoni Gaudí, que começou por ampliá-los de modo a facilitar a circulação de ar e luz natural. Assim sendo, foi construída uma grande claraboia que ilumina todos os pisos. No entanto, a ideia mais genial do arquiteto para o Pátio de Luzes foi a gradação de cores nas paredes para criar uma espécie de jogo cromático.

No topo, ele usa azulejos em azul-cobalto, cuja cor vai perdendo intensidade nos pisos inferiores até se tornar branca. A este efeito, Gaudí juntou ainda janelas maiores nos andares inferiores, que decrescem de tamanho nos últimos pisos. E estas primeiras janelas possuem frinchas de madeira, que podem ser abertas ou fechadas para controlar a ventilação.

Todas estas técnicas engenhosas que o mestre catalão incorporou no Pátio de Luzes da Casa Batlló em Barcelona servem o mesmo propósito: garantir uma distribuição uniforme da luz e do ar. No centro deste espaço, encontras o elevador original que Gaudí desenhou e que funciona até aos dias de hoje. Curiosamente, a sua numeração tradicional foi substituída por um sistema de letras de A a I, por isso repara na grafia especial da letra G!

Jardim Interior

Antoni Gaudí também decidiu reformar a Fachada Traseira da Casa Batlló em Barcelona e adicionou-lhe sacadas onduladas e com gradeamento de ferro. À volta de cada piso, o arquiteto aplicou a técnica de trencadís, que se tornou uma das suas imagens de marca.

Mas estes fragmentos de cerâmica e vidro coloridos são utilizados de forma muito mais extensiva no Jardim Interior, isto é, o terraço do Andar Nobre. Este pátio traseiro – de uso exclusivo da família Batlló – era facilmente acedido através da sua sala de jantar.

Aqui, podes admirar os vários vasos de plantas e canteiros de flores, decorados com os mesmos discos de cerâmica da Fachada Principal e motivos de trencadís. E no fundo, um muro de formas sinuosas e com vasos embutidos (que lembram um jardim suspenso) confere mais privacidade ao terraço.

Sótão

O Sótão da Casa Batlló em Barcelona foi criado à volta do Pátio de Luzes e servia simultaneamente de lavandaria e área de armazenamento para os inquilinos dos vários apartamentos. Construído aplicando formas simples, influências mediterrâneas (pela utilização do branco), excelente ventilação e iluminação natural, é a combinação perfeita de estética com funcionalidade.

Considerado um dos espaços mais insólitos do edifício, este andar incorpora uma série de sessenta arcos catenários, que Gaudí viria a replicar no Sótão da Casa Milà. Mais uma vez, muita gente interpreta estes arcos como sendo a caixa torácica de um animal. Aliás, a divisão que se encontra voltada para a Fachada Principal foi mesmo apelidada de “Ventre do Dragão”!

Terraço

O Terraço da Casa Batlló em Barcelona é aquilo que em Espanha se chama de Azotea, ou seja, um “telhado plano”. Aqui, é possível admirar de perto a cruz que faz parte da Fachada Principal e perceber alguns pormenores da mesma. Por exemplo, a cruz está apoiada numa base de cerâmica bulbosa, quase como se fosse uma cúpula. E na torre que a sustenta, Gaudí incluiu os monogramas da Sagrada Família: José (JHP), Maria (M) e Jesus (JHS).

Desta mesma perspetiva, também é mais fácil observar as telhas que compõem o pequeno telhado, na secção superior da Fachada Principal. Dispostas em degradê, foram a grande contribuição de Josep Maria Jujol e Joan Rubió i Bellver e fazem lembrar as escamas do dragão.

No total, o Terraço da Casa Batlló em Barcelona possui 36 chaminés distribuídas em quatro grupos, com mais de seis metros de altura. E estas chaminés estão decoradas com pedaços de cerâmica e vidro coloridos, formando vários padrões. Os seus formatos incomuns foram uma escolha funcional para favorecer a circulação do ar.

Partilha este artigo nas tuas redes sociais!

Mais Artigos sobre Espanha

Mais Artigos sobre Guias de Museus

Mais Artigos sobre Património Mundial

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Scroll to Top