Alhambra De Granada: Melhores Dicas Para Visitar Em 2023

Granada é um dos maiores centros turísticos da Andaluzia, no sul de Espanha. Afinal, a zona baixa da cidade contrasta com duas colinas onde se localizam o complexo monumental da Alhambra e do Generalife e o bairro histórico de Albaicín.

A Alhambra de Granada foi residência de sucessivos povos, isto é, até integrar o Reino de Castela no final do século XV. Ao longo dos séculos, a zona serviu igualmente de inspiração aos artistas, desde os “Contos de Alhambra” (1832) de Washington Irving, às composições musicais de Francisco Tárrega e Manuel de Falla.

Por isso, queres saber mais sobre a Alhambra De Granada: Melhores Dicas Para Visitar Em 2023? Continua a ler!

Este artigo pode conter links de afiliados, o que significa que eu ganho uma pequena comissão se fizeres uma compra, sem nenhum custo adicional para ti. Lê o meu aviso legal & política de privacidade para mais informações.

Sem tempo para ler agora? Guarda para depois!

Alhambra de Granada
Alhambra de Granada

Breve História da Alhambra de Granada

Antes de mais nada, Maomé I ibne Nácer foi o fundador da dinastia nacérida (ou nazarí, em espanhol), a última dinastia muçulmana da Península Ibérica. Em 1238, decidiu instalar a sua corte na colina de al-Sabika em Granada, começando assim a construção da Alhambra.

Seis reinados depois, Iúçufe I ordenou a conceção do magnífico Palácio de Comares, enquanto que o seu sucessor, o rei Maomé V, foi o criador do famoso Palácio dos Leões. Contudo, no dia 2 de janeiro de 1492, Maomé XII entregou a Alhambra de Granada aos Reis Católicos.

Isabel I de Castela e Fernando II de Aragão hospedaram não só a Casa Real na Alhambra, como também converteram o local nos quartéis-generais da Capitania Geral do Reino de Granada.

No ano de 1526, Carlos V visitou a Alhambra de Granada e decidiu construir um palácio com o seu nome, que acabou por se tornar num importante modelo de arquitetura renascentista espanhola.

Posteriormente, no século XVIII, a Real Academia de Bellas Artes de San Fernando – sediada em Madrid – iniciou os primeiros estudos planimétricos do sítio. Como resultado, o interesse da comunidade científica permaneceu e, em 1870, a Alhambra foi declarada Monumento Nacional.

Entre 1923 e 1936, o complexo foi alvo de uma profunda renovação levada a cabo pelo arquiteto restaurador Leopoldo Torres Balbás. Entre várias das suas intervenções, destacam-se sobretudo, as obras realizadas no Palácio dos Leões, Palácio do Mexuar e no Partal.

Património Mundial

Sabias que a Alhambra de Granada fez parte do primeiro conjunto de inscrições de Espanha na Lista do Património Mundial da UNESCO? Esta 8ª sessão do Comité de Património Mundial realizou-se em Buenos Aires (Argentina), entre os dias 29 de outubro e 2 de novembro de 1984.

Quatro outros sítios espanhóis foram anunciados na sessão: a Catedral de Burgos; o Centro Histórico de Córdoba; o Mosteiro e Sítio do Escorial em Madrid; e três das sete Obras de Antoni Gaudí. Dez anos mais tarde, a classificação foi ainda assim estendida ao bairro histórico de Albaicín.

Hoje em dia, Espanha é o quarto país do mundo e o terceiro país da Europa com mais sítios UNESCO, logo depois de Itália e da Alemanha, e empatado com França. Possui quarenta e nove bens patrimoniais (tanto culturais, como naturais) inscritos na lista mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura!

Entretanto, já tive a oportunidade de visitar dez:

  1. Alhambra, Generalife e Albaicín, Granada (1984, 1994)
  2. Catedral, Alcázar e Arquivo das Índias em Sevilha (1987)
  3. Centro Histórico de Córdova (1984)
  4. Cidade Velha de Salamanca (1988)
  5. Cidade Velha de Santiago de Compostela (1985)
  6. Conjunto Arqueológico de Mérida (1993)
  7. Conjunto Arqueológico de Tarraco (2000)
  8. Obras de Antoni Gaudí (1984, 2005) – Casa Batlló, Casa Milà, Casa Vicens, Cripta da Colònia Güell, Fachada da Natividade e Cripta da Basílica da Sagrada Família, Palácio Güell e Parque Güell
  9. Palácio da Música Catalã e Hospital de São Paulo, Barcelona (1997)
  10. Passeio do Prado e Retiro, uma paisagem de Artes e Ciências (2021)

Como Chegar à Alhambra de Granada

Para além das quatro áreas principais – o Palácio e Jardins do Generalife, a Alcazaba, os três Palácios Nasrid e o Palácio e Jardins do Partal – o complexo monumental da Alhambra de Granada possui muitos outros edifícios e locais de interesse dignos de visita.

Antes de tudo, o Palácio de Carlos V, sede do Museu da Alhambra, Museu de Belas-Artes e de um Salão de Conferências e Exposições. Desenhado pelo arquiteto espanhol Pedro Machuca, que estudou com o mestre Michelangelo em Itália, tem portanto fortes inspirações romanas.

Outras heranças importantes são, sem dúvida, o património católico presente na Alhambra de Granada. Para começar, a Igreja de Santa Maria da Alhambra, cujas origens remontam a 1581 e que foi concluída quase 40 anos depois, em 1618.

E em segundo lugar, o Parador de São Francisco, contrastando com as ruínas da antiga Medina. Foi um convento franciscano no século XV e agora serve de alojamento turístico, como parte da rede de Paradores Nacionales de Turismo.

Para aceder à Alhambra de Granada, é necessário cruzar a Plaza de la Alhambra e passar pelo Pavilhão da Entrada, a bilheteira principal e ponto de partida da visita. Neste espaço, tens também acesso a casas-de-banho, cacifos, audioguias, à loja-livraria e a um parque de merendas.

Horários de Abertura & Preços de Bilhetes

O bilhete para o conjunto monumental custa 14€ e inclui a visita diurna ao Generalife, à Alcazaba e aos Palácios Nazaríes. Por outro lado, o Palácio de Carlos V, o Museu de Alhambra e os Banhos da Mesquita são de entrada livre.

ATENÇÃO: Os Palácios Nazaríes têm um horário específico, que vem marcado no bilhete!

Existem outras variantes de ingressos, como por exemplo, visitas diurnas (7€) ou noturnas (5€) aos Jardins e Palácio do Generalife ou a visita noturna aos Palácios Nasrid (8€). Esta alternativa realiza-se das 20:00 às 21:30, às sextas e sábados (época baixa) e das 22:00 às 23:00 de terças a sábados (época alta).

O complexo funciona todos os dias do ano (salvo dias 25 de dezembro e 1 de janeiro), com horários diurnos das 08:30 às 18:00 na época baixa (15 de outubro a 31 de março) e das 08:30 às 20:00 na época alta (1 de abril a 14 de outubro).

O Que Ver na Alhambra de Granada

Palácio e Jardins do Generalife

O Palácio do Generalife vem do árabe Jannat al-‘Arīf, que significa Jardim dos Arquitetos. Esta área foi a primeira que visitei e engloba não apenas o palácio, como também os Jardins Altos e os Jardins Baixos.

O Generalife surgiu com o intuito de servir de zona de recreação para os reis Nazaríes, como um palácio de férias. O edifício e jardins foram construídos durante o reinado de Maomé III (1302-09) e, em seguida, aprimorados por Ismael I (1314-25).

Primeiramente, estava ligado ao restante complexo da Alhambra de Granada por uma passarela medieval coberta, através da ravina que os divide e que pode ser observada dos Jardins do Partal (junto à Torre de los Picos).

Nos dias que correm, podes explorar a Casa de los Amigos (uma antiga casa de hóspedes e atual sítio arqueológico), ou o Miradouro Romântico, ou a Escadaria de Água, cujas calhas conduziam de forma contínua a água do Canal de Água Real.

Além disso, conservam-se vários pátios (Patio de Descabalgamieno, Patio de la Acequia e Patio del Ciprés de la Sultana) e foi acrescentado recentemente o Teatro do Generalife (um auditório contemporâneo ao ar livre).

Por fim, podes caminhar no Paseo de las Adelfas e no Paseo de los Cipreses. O Patio de la Acequia – um dos locais mais deslumbrantes da Alhambra – tem um longo canal de água, cercado por pequenos jatos e canteiros de plantas!

Alcazaba

A partir da Puerta del Vino e atravessando a Plaza de los Aljibes, chegas à Alcazaba, não só uma das partes mais antigas da Alhambra de Granada, mas também a área militar do complexo monumental.

Em termos históricos, Alcáçova vem do árabe al-qasbah, que significa Citadela e consiste num tipo de fortificação ou castelo árabe. Era muito comum em cidades andaluzas para além de Granada, como Málaga, Almería ou Marbella.

Existem inúmeras torres para visitar, quase todas nas muralhas norte e a este:

  • Torre do Cubo (Torre del Cubo)
  • Torre de Menagem (Torre del Homenaje)
  • Torre Quebrada
  • Torre do Adarguero (Torre del Adarguero)
  • Torre do Criado do Doutor Ortiz (Torre del Criado del Doctor Ortiz)
  • Torre de Alquiza (Torre de Alquiza)
  • Torre das Armas (Torre de las Armas)
  • Torre da Vela (Torre de la Vela)
  • Torre da Pólvora (Torre de la Pólvora)

Se a Torre das Armas serve de miradouro turístico para os bairros de Albaicín e Sacromonte, então a Torre da Vela assume o mesmo propósito para avistar o centro histórico de Granada. Para terminares a tua visita na Alcazaba, passeia pela Praça de Armas e pelo Jardín de los Adarves, na muralha sul e com vistas panorâmicas.

Palácios Nazaríes

Atualmente, existem três Palácios Nazaríes, se bem que surgiram em diferentes períodos da História. O Palácio do Mexuar foi a residência de Ismael I (1314-25), o Palácio de Comares a de Iúçufe I (1333-54) e o Palácio dos Leões a de Maomé V (1362-91), que na verdade usufruiu dos três.

Palácio do Mexuar

O Palácio do Mexuar – não tão bem preservado como os seus contemporâneos – era o local onde se reunia a Sura para decidir negócios e questões administrativas, do mesmo modo que servia de sala de audiências. As salas primitivas revelam uma decoração e arquitetura modesta, provavelmente devido ao seu propósito. É de salientar o seu Oratório, utilizado pela família real e a sua corte nas orações muçulmanas.

Palácio de Comares

O Patio de Comares o de los Arrayanes é o recinto central do Palácio de Comares. Com um grande canal de água que reflete os edifícios circundantes, quer a Torre de Comares, quer a Fachada do Palácio (no Cuarto Dorado) são avistadas deste ponto.

Surpreendentemente, esta torre é a maior da Alhambra de Granada, com 45 metros de altura! Da mesma forma, alberga o Salão dos Embaixadores, a maior sala de todo o recinto e que está cercada por nove pequenos quartos.

O sítio mais importante deste segundo Palácio Nazarí possuía uma antecâmara retangular, conhecida como Sala da Barca e repleta de detalhes decorativos. Só para ilustrar, integra palavras e frases árabes escritas a gesso nas paredes, azulejos de cores diferentes e as famosas muqarnas, ornamentos da arquitetura islâmica em forma de abóbadas!

As restantes salas, corredores e pátios foram acrescentados a partir do Patio de los Arrayanes. Também é possível visitar os Banhos de Comares, um espaço destinado aos chamados banhos turcos. Embora se reconheça que cada palácio da Alhambra de Granada possuía uma sala de banhos, esta é a única conservada quase integralmente no mundo ocidental. Infelizmente, na altura em que visitei o recinto, estava encerrada.

Palácio dos Leões

O Palácio dos Leões, terceiro e último Palácio Nazarí, serve de verdadeiro testemunho vivo da arquitetura islâmica em Granada. Pode-se dizer que é a jóia da coroa, uma vez que a Alhambra é o local turístico mais visitado em Espanha.

O Pátio dos Leões é, certamente, o sítio mais fotografado e reconhecido da Alhambra de Granada. Rodeado por uma galeria com 124 colunas de mármore branco andaluz, também aqui serve de eixo central aos quartos.

Dos espaços residenciais que o rodeiam, podes caminhar pela Sala de los Abencerrajes e admirar a sua cúpula de muqarnas em forma de estrela de oito pontas. De igual modo, não só a Sala das Duas Irmãs (antiga residência secundária), bem como a Sala dos Reis merecem uma visita pelas suas abóbadas ricamente pintadas e ornamentadas.

Na parte norte do Palácio dos Leões ficam as Salas do Imperador, que podem ser acedidas atravessando a Sala de los Ajimeces. São um conjunto de seis quartos de inspirações cristãs, construídos entre 1528 e 1537 para o soberano e para a sua mulher.

Com um escritório, uma antecâmara e uma galeria aberta denominada Peinador de la Reina, engloba ainda dois pátios. Em primeiro lugar, o Patio de la Reja, caraterizado por uma varanda com grades de ferro forjado. Já o Patio de la Lindaraja possui uma estrutura semelhante, mas imitando um claustro. Este último, recebeu o seu nome do Mirador de Daraxa.

Palácio e Jardins do Partal

O Partal é um pequeno oásis, no meio do calor abrasador de Granada. À semelhança do Palácio de Comares, possui uma piscina imponente, assim como um pórtico e um oratório com o mesmo nome, mais a chamada Torre de las Damas. Tanto quanto se sabe, foi construído na altura de Maomé III (1302-09), o que o torna no palácio mais antigo da Alhambra de Granada! Pelo menos, aquele que continua parcialmente em pé…

No entanto, o Palácio e os Jardins do Partal só foram integrados no complexo monumental da Alhambra e do Generalife no início do século XX. Os trabalhos arquitetónicos e paisagistas começaram na década de 1930, no momento em que já decorriam explorações arqueológicas no local.

Esta secção contém também as ruínas arqueológicas do Palácio de Iúçufe III e a Rauda, uma antiga cuba mortuária islâmica.

Para terminar a visita na Alhambra de Granada, convido-te a percorreres o Paseo de las Torres, que liga os Jardins do Partal à parte alta da Alhambra e ao Generalife. A partir da Torre dos Picos, começa um caminho marcado pelas Torre del Cadí, Torre da Cativa, Torre das Infantas e pela Torre del Cabo de la Carrera, ao lado da Torre da Água.

Bairro de Albaicín

O bairro histórico de Albaicín (ou Albayzín, em espanhol) encontra-se a quase 800 metros de altitude, numa colina voltada para a Alhambra de Granada. Está repleto de carmens, umas casas típicas com muros caiados de branco e jardins-hortas com vegetação cerrada.

Albaicín tem vários locais de interesse para visitar, mas o Mirador de San Nicolás é o mais popular, pelas vistas que proporciona sobre a Alhambra. Junto à Iglesia de San Nicolás situa-se a Mezquita Mayor de Granada, um templo islâmico inaugurado há menos de 20 anos.

Existem ainda vários aljibes (pequenas cisternas locais) na zona circundante, como o Aljibe de San Nicolas, Aljibe de las Tomassas ou o Aljibe de Bibalbonud.

Partilha este artigo nas tuas redes sociais!

Mais Artigos sobre Espanha

Mais Artigos sobre Castelos e Palácios

Mais Artigos sobre Património Mundial

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Scroll to Top